24
Seg, Fev

Paróquia São Judas celebra missa em intenção ao Beato Frederico Ozanam

Região II
ozanamNascido a 23 de abril de 1813, em Milão, na Itália. Filho de Jean Antoine e de Marie Ozanam. Seu pai era médico e se dedicava com igual solicitude aos ricos e aos pobres. Assim Frederico respirava desde o nascimento o profundo espírito de caridade compartilhado por seus pais.

Desde muito jovem se dedicou incansavelmente aos estudos, aos 17 anos conhece várias línguas (inclusive hebraico e sânscrito), apaixonado pelo estudo de Filosofia, consumindo-se com freqüência numa investigação existencial e espiritual, que jamais abandonará. Em 1831 chega a Paris para freqüentar a universidade da Sorbone, tornando-se um assíduo freqüentador dos ambientes intelectuais e também um colaborador de jornais e revistas.

Certa tarde, depois de sair vencedor de um debate com um estudante socialista sobre o compromisso social dos católicos, anuncia a um amigo a intenção de realizar finalmente um projeto, que há tempo lhe era muito querido: fundar uma “Conferência de caridade”, uma associação de beneficência para a assistência dos pobres, “a fim de por em prática o nosso catolicismo”. Assim, com apenas 20 anos, Frederico funda, juntamente com seis companheiros, as Conferências de São Vicente de Paulo.

Doutor em Direito (1836) e depois em Letras (1830), Ozanam inicia uma brilhante carreira universitária que o levará em 1844, a tornar-se o titular da cátedra de Literatura Estrangeira na Universidade da Sorbone e a viver sem reservas a sua profunda vocação ao magistério.

Em 1841, casa-se com Amélie Soulacroix. Frederico Ozanam é, portanto, um homem profundamente inserido no seu tempo. Marido e pai, professor e literato, leigo comprometido, vive as diferentes dimensões da sua existência, com a mesma paixão e generosidade: vai pessoalmente aos bairros pobres de Paris e de outras cidades, promove a expansão das Conferências vicentinas no mundo, publica escritos históricos e literários, luta pela liberdade civil, política e religiosa, sofrendo pelos contrastes que dividem o mundo católico em facções políticas opostas, e tendo um coração cheio de ternura para  com Amélie, sua esposa e Marie, sua filha.

Os primeiros sintomas do que seria uma grave infecção renal, chegam-lhe de surpresa em 1846. Na tentativa de recuperar a saúde, Frederico passa algum tempo com a família na Itália, e é recebido em audiência por Pio IX. De retorno a Paris, Ozanam continua a dedicar-se, de corpo e alma, ao serviço dos seus alunos, ao Jornal Ere Nouvelle, com o qual colaborou na fundação, aos pobres e aos trabalhadores.

Frederico Ozamam morreu na noite de 8 de setembro de 1853, em Marselha, rodeado de seus entes mais queridos, depois de uma longa agonia. Em 22 de Agosto de 1997, durante uma missa presidida por João Paulo II em Paris, Frederico Ozanam é beatificado e referindo-se a ele, João Paulo II diz que “esse é o modelo de apóstolo leigo, erudito, empenhado e dedicado ao serviço dos mais pobres, que a Igreja apresenta a todos os fiéis.”

O milagre que o consagrou beato, ocorreu no Brasil, na cidade de Nova Friburgo, no Rio de Janeiro. Uma criança de apenas 18 meses, acometida por uma grave difteria, em fevereiro de 1926, obteve a graça da cura por intercessão do Servo de Deus Frederico Ozanam. Essa cura foi reconhecida pela Junta médica da Congregação para as Causas dos Santos a 22 de junho de 1995.

Elevemos sempre nossas orações ao Beato Frederico Ozanam, pois, como vimos o milagre que o beatificou ocorreu no Brasil; quem sabe,  com nossas orações, nós também sejamos dignos de sua intercessão para a cura de nossos males e para a glória de sua canonização.

Pascom São Judas Tadeu