28
Sab, Mar

Paróquia Santa Antonieta celebra festa da padroeira

Região I

santa antonieta4No último dia 28 de fevereiro, a Paróquia Santa Antonieta de Marília a celebrou sua padroeira. A missa foi presidida pelo pároco, Pe. Anderson Messina Perini, e concelebrantes, Pe. Maurício Pereira Sevilha, vigário paroquial, e Pe. José Afonso Maniscalco, pároco da Paróquia Sagrado Coração de Jesus de Marília.

A missa solene contou com a participação de centenas de pessoas que lotaram a igreja. A festa foi ainda preparada por um tríduo de espiritualidade. No dia 25, sábado de manhã, houve as confissões. No domingo, dia 26, missa às 19h com a presidência do Pe. Marcos Roberto Cesário da Silva, da Paróquia São Pedro de Garça que nos falou sobre a espiritualidade quaresmal. Na segunda, houve missa com o Pe. Irineu Castro de Oliveira, da Paróquia Nossa Senhora Assunção de Getulina, que nos falou sobre Eucaristia e o Perdão de Deus. Logo após a missa de segunda, o Santíssimo Sacramento ficou exposto para vigília dos fiéis que revezavam em adoração de hora em hora até a missa solene da padroeira na terça-feira.

As festividades da padroeira de Santa Antonieta foram participativas e alegres. Os que participaram da Missa do dia 28 ainda ganharam indulgência e a bênção solene com a relíquia de Santa Antonieta.

 

Sobre a Vida de Santa Antonieta

 

Santa Antonieta viveu no século XV, entre os anos 1400 a 1472. Ela nasceu em Florença na Itália vivendo no anonimato de uma família comum. Casou-se ainda jovem e teve um filho. Ficou viúva ainda jovem e cuidou do seu filho até completar a primeira instrução. Apesar de jovem não quis um segundo casamento, mesmo pressionada pela família. Na época, São Bernardino de Sena propagava por toda a Itália o movimento da Observância franciscana em igrejas e praças. Encantada por sua pregação, Antonieta decide consagrar sua vida a Deus. Em 1429, entra na Terceira Ordem Regular das mulheres franciscanas no mosteiro florentino de Santo Onofre. Chamada pela sua superiora a fundar um mosteiro em Áquila, Antonieta é enviada com pequeno grupo de irmãs. Permaneceu frente ao mosteiro de Santa Elizabete de Áquila por 14 anos. Diante de uma busca cada vez mais profunda de espiritualidade e contemplação a Cristo Crucificado, ela foi amadurecendo a sua vocação religiosa e decidiu deixar a Terceira Ordem e abraçar radicalmente a espiritualidade de Santa Clara de Assis, em busca de uma maior observância da regra franciscana original. Na decisão de fundar um novo mosteiro ela teve o apoio de suas companheiras e de São João Capistrano. Em 1447, Antonieta e suas irmãs fundam o Mosteiro da Eucaristia em Áquila, hoje chamado de Santa Clara ou da Beata Antonieta de Florença. Antonieta foi Abadessa do mosteiro por sete anos, depois se recolheu numa espiritualidade de silêncio e contemplação a Cristo.  Seu fervor e ritmo interior de vida contemplativa deram ao mosteiro profunda espiritualidade e fama por toda cidade e região. O exemplo e a palavra de Antonieta arrastavam a todos. A mensagem de Santa Antonieta é de uma santidade alegre, oculta, humilde, revestida de um Deus totalmente amável e misericordioso. Santa Antonieta faleceu em 28 de fevereiro de 1472. Seu corpo se encontra incorrupto no mosteiro que ela fundou até os dias de hoje.santa antonieta2

EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL CHRISTUS VIVIT
clique para baixar
Exortação Apostólica “Gaudete et Exsultate: chamado à santidade”
Exortação Apostólica “Gaudete et Exsultate: chamado à santidade” é lançada pelo papa
Área de arquivos
Materiais disponibilizados pela Diocese e pelas pastorais

257 0120 01 1