24
Seg, Jun

Dom Osvaldo comemora seu 32º Aniversário de Ordenação

Clero

aniversario-ordenacao-domosvaldo-capaNa noite da ultima sexta-feira, 12 de setembro, foi celebrada Missa em ação de graças aos 32 anos de Ordenação Episcopal de Dom Osvaldo Giuntini.

A Missa foi celebrada no Santuário Nossa Senhora da Glória de Marília e contou a presença do Bispo Diocesano, Dom Luiz Antonio Cipolini, vários padres e semináristas da diocese. Os leigos também prestigiaram está data tão importante para Dom Osvaldo e para toda a diocese. No final as crianças do Coral Senhor Bom Jesus de Rosália pediram as bençãos de Deus em forma de canto à Dom Osvaldo.

Biografia

Dom Osvaldo Giuntini nasceu em São Paulo, em 24 de outubro de 1936, e cursou o 1º e o 2º graus na capital paulista e em São Roque, no Seminário Metropolitano Imaculado Coração de Maria. De 1956 a 1963 estudou filosofia e teologia no Seminário Central da Imaculada Conceição, no Ipiranga, e na Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção.

A vocação de Dom Osvaldo teve início quando criança, no primeiro ano da escola. Sendo de família religiosa, depois de fazer a primeira comunhão e de ser orientado para a prática religiosa, sentiu o chamado de Deus, por volta de 1947. "Terminei a quarta série do primário e pedi ao meu pároco, da Paróquia São José de Belém, em São Paulo, que me orientasse para ingressar no seminário", declarou Dom Osvaldo.

Sua ordenação sacerdotal ocorreu em 8 de dezembro de 1963. O ministério foi exercido primeiramente na capital paulista e, em seguida, foi pároco das cidades de Salto e Itu. Após a criação da diocese de Jundiaí, Dom Osvaldo foi nomeado pároco da Catedral de Nossa Senhora do Desterro, chanceler do bispado e, posteriormente, Vigário Geral da diocese.

Em 1975, o Papa Paulo VI concedeu-lhe o título de Monsenhor. Seis anos depois, Dom Osvaldo foi para Roma com o objetivo de fazer um curso de atualização em Direito Matrimonial.

No ano seguinte, em 1982, o então Monsenhor recebeu a nomeação de bispo auxiliar. A sagração episcopal ocorreu em Jundiaí, no dia 12 de setembro do mesmo ano. O lema escolhido para o seu episcopado foi "Dou-vos a minha vida" (Vitam meam do vobis). Dom Osvaldo veio a Marília como bispo auxiliar do então bispo diocesano, Dom Frei Daniel Tomasella, e assumiu as visitas pastorais e a coordenação da pastoral diocesana.

Dom Osvaldo Giuntini permaneceu por cinco anos como bispo auxiliar. Em 1987, a pedido de Dom Frei Daniel, Dom Osvaldo foi nomeado bispo coadjutor, com direito à sucessão.

Cinco anos depois, em decorrência da renúncia do bispo diocesano, Dom Osvaldo tomou posse como bispo da diocese de Marília, em 9 de dezembro de 1992. Como bispo diocesano, Dom Osvaldo deu continuidade às iniciativas anteriores, tendo a assessoria dos diversos conselhos diocesanos.

Dentre os momentos importantes da diocese, durante seu bispado, está a inauguração do novo prédio do Seminário Diocesano São Pio X, em 1º de maio de 1996, e a Revisão Ampla da Pastoral na diocese, a partir da qual surgiram propostas para a Ação Evangelizadora das comunidades, pastorais, movimentos e associações.

Outro momento importante que motivou a diocese e todos os cristãos foi a celebração dos 2.000 anos do nascimento de Jesus Cristo e a comemoração do Jubileu de Ouro da Diocese de Marília.

Aos 8 de maio de 2013, o Papa Francisco aceitou a renúncia de Dom Osvaldo para o governo da Diocese de Marília em conformidade com o cânon 401§ 1º do Código de Direito Canônico, passando a ser Bispo Emérito.

EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL CHRISTUS VIVIT
clique para baixar
Exortação Apostólica “Gaudete et Exsultate: chamado à santidade”
Exortação Apostólica “Gaudete et Exsultate: chamado à santidade” é lançada pelo papa
Área de arquivos
Materiais disponibilizados pela Diocese e pelas pastorais

edicao250