19
Seg, Abr

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulga nesta sexta-feira, 16 de abril, a mensagem do episcopado brasileiro que reunido, de modo online, na 58ª Assembleia Geral da CNBB, se dirigiu ao povo neste grave momento.

No texto, os bispos afirmam que diante da atual situação pela qual passa o Brasil, sobretudo em tempos de pandemia, não podem se calar quando a vida é “ameaçada, os direitos desrespeitados, a justiça corrompida e a violência instaurada”. Os bispos asseguram que são pastores e que têm a missão de cuidar. “Nosso coração sofre com a restrita participação do Povo de Deus nos templos. Contudo, a sacralidade da vida humana exige de nós sensatez e responsabilidade”, dizem.

Na mensagem, os bispos reiteram que no atual momento precisam continuar a observar as medidas sanitárias que dizem respeito às celebrações presenciais. Reconhecem agradecidos que as famílias têm sido espaço privilegiado da vivência da fé e da solidariedade. “Elas têm encontrado nas iniciativas de nossas comunidades, através de subsídios e celebrações online, a possibilidade de vivenciarem intensamente a Igreja doméstica. Unidos na oração e no cuidado pela vida, superaremos esse momento”.

Os bispos afirmam que os três poderes da República têm, cada um na sua especificidade, a missão de conduzir o Brasil nos ditames da Constituição Federal, que preconiza a saúde como “direito de todos e dever do Estado” e que o momento exige competência e lucidez. “São inaceitáveis discursos e atitudes que negam a realidade da pandemia, desprezam as medidas sanitárias e ameaçam o Estado Democrático de Direito”, afirmam.

Fazem, ainda, um forte apelo à unidade das Igrejas, entidades, movimentos sociais e todas as pessoas de boa vontade, em torno do Pacto pela Vida e pelo Brasil: “Assumamos, com renovado compromisso, iniciativas concretas para a promoção da solidariedade e da partilha. A travessia rumo a um novo tempo é desafiadora, contudo, temos a oportunidade privilegiada de reconstrução da sociedade brasileira sobre os alicerces da justiça e da paz, trilhando o caminho da fraternidade e do diálogo. Como nos animou o Papa Francisco: “o anúncio Pascal é um anúncio que renova a esperança nos nossos corações: não podemos dar-nos por vencidos!”.

Confira o texto na íntegra:

MENSAGEM DA 58ª ASSEMBLEIA GERAL DA CNBB AO POVO BRASILEIRO

Esperamos novos céus e uma nova terra, onde habitará a justiça. (2Pd 3,13)

Movidos pela esperança que brota do Evangelho, nós, Bispos do Brasil, reunidos, de modo online, na 58ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, de 12 a 16 de abril de 2021, neste grave momento, dirigimos nossa mensagem ao povo brasileiro.

Expressamos a nossa oração e a nossa solidariedade aos enfermos, às famílias que perderam seus entes queridos e a todos os que mais sofrem as consequências da Covid-19. Na certeza da Ressurreição, trazemos em nossas preces, particularmente, os falecidos. Ao mesmo tempo, manifestamos a nossa profunda gratidão aos profissionais de saúde e a todas as pessoas que têm doado a sua vida em favor dos doentes, prestado serviços essenciais e contribuído para enfrentar a pandemia.

O Brasil experimenta o aprofundamento de uma grave crise sanitária, econômica, ética, social e política, intensificada pela pandemia, que nos desafia, expondo a desigualdade estrutural enraizada na sociedade brasileira. Embora todos sofram com a pandemia, suas consequências são mais devastadoras na vida dos pobres e fragilizados.

Essa realidade de sofrimento deve encontrar eco no coração dos discípulos de Cristo[1]. Tudo o que promove ou ameaça a vida diz respeito à nossa missão de cristãos. Sempre que assumimos posicionamentos em questões sociais, econômicas e políticas, nós o fazemos por exigência do Evangelho. Não podemos nos calar quando a vida é ameaçada, os direitos desrespeitados, a justiça corrompida e a violência instaurada[2].

Louvamos o testemunho de nossas comunidades na incansável e anônima busca por amenizar as consequências da pandemia. Muitos irmãos e irmãs, bispos, padres, diáconos, religiosos, religiosas, cristãos leigos e leigas, movidos pelo autêntico espírito cristão, expõem suas vidas no socorro aos mais vulneráveis. Com o Papa Francisco, afirmamos que “são inseparáveis a oração a Deus e a solidariedade com os pobres e os enfermos”[3]. As iniciativas comunitárias de partilha e solidariedade devem ser sempre mais incentivadas. É Tempo de Cuidar!

Somos pastores e nossa missão é cuidar. Nosso coração sofre com a restrita participação do Povo de Deus nos templos. Contudo, a sacralidade da vida humana exige de nós sensatez e responsabilidade. Por isso, nesse momento, precisamos continuar a observar as medidas sanitárias que dizem respeito às celebrações presenciais. Reconhecemos agradecidos que nossas famílias têm sido espaço privilegiado da vivência da fé e da solidariedade. Elas têm encontrado nas iniciativas de nossas comunidades, através de subsídios e celebrações online, a possibilidade de vivenciarem intensamente a Igreja doméstica. Unidos na oração e no cuidado pela vida, superaremos esse momento.

Na sociedade civil, os três poderes da República têm, cada um na sua especificidade, a missão de conduzir o Brasil nos ditames da Constituição Federal, que preconiza a saúde como “direito de todos e dever do Estado”[4]. Isso exige competência e lucidez. São inaceitáveis discursos e atitudes que negam a realidade da pandemia, desprezam as medidas sanitárias e ameaçam o Estado Democrático de Direito. É necessária atenção à ciência, incentivar o uso de máscara, o distanciamento social e garantir a vacinação para todos, o mais breve possível. O auxílio emergencial, digno e pelo tempo que for necessário, é imprescindível para salvar vidas e dinamizar a economia[5], com especial atenção aos pobres e desempregados.

É preciso assegurar maiores investimentos em saúde pública e a devida assistência aos enfermos, preservando e fortalecendo o Sistema Único de Saúde – SUS. São inadmissíveis as tentativas sistemáticas de desmonte da estrutura de proteção social no país. Rejeitamos energicamente qualquer iniciativa que intente desobrigar os governantes da aplicação do mínimo constitucional do orçamento na saúde e na educação.

A educação, fragilizada há anos pela ausência de um eficiente projeto educativo nacional, sofre ainda mais no contexto da pandemia, com sérias consequências para o futuro do país. Além de eficazes políticas públicas de Estado, é fundamental o engajamento no Pacto Educativo Global, proposto pelo Papa Francisco[6].

Preocupa-nos também o grave problema das múltiplas formas de violência disseminada na sociedade, favorecida pelo fácil acesso às armas. A desinformação e o discurso de ódio, principalmente nas redes sociais, geram uma agressividade sem limites. Constatamos, com pesar, o uso da religião como instrumento de disputa política, justificando a violência e gerando confusão entres os fiéis e na sociedade.

Merece atenção constante o cuidado com a casa comum, submetida à lógica voraz da “exploração e degradação”[7]. É urgente compreender que um bioma preservado cumpre sua função produtiva de manutenção e geração da vida no planeta, respeitando-se o justo equilíbrio entre produção e preservação. A desertificação da terra nasce da desertificação do coração humano. Acreditamos que “a liberdade humana é capaz de limitar a técnica, orientá-la e colocá-la ao serviço de outro tipo de progresso, mais saudável, mais humano, mais social, mais integral”[8].

É cada vez mais necessário superar a desigualdade social no país. Para tanto, devemos promover a melhor política[9], que não se submete aos interesses econômicos, e seja pautada pela fraternidade e pela amizade social, que implica não só a aproximação entre grupos sociais distantes, mas também a busca de um renovado encontro com os setores mais pobres e vulneráveis[10].

Fazemos um forte apelo à unidade da sociedade civil, Igrejas, entidades, movimentos sociais e todas as pessoas de boa vontade, em torno do Pacto pela Vida e pelo Brasil. Assumamos, com renovado compromisso, iniciativas concretas para a promoção da solidariedade e da partilha. A travessia rumo a um novo tempo é desafiadora, contudo, temos a oportunidade privilegiada de reconstrução da sociedade brasileira sobre os alicerces da justiça e da paz, trilhando o caminho da fraternidade e do diálogo. Como nos animou o Papa Francisco: “o anúncio Pascal é um anúncio que renova a esperança nos nossos corações: não podemos dar-nos por vencidos!”[11]

Com a fé em Cristo Ressuscitado, fonte de nossa esperança, invocamos a benção de Deus sobre o povo brasileiro, pela intercessão de São José e de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil.

Brasília, 16 de abril de 2021.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo de Belo Horizonte – MG
Presidente da CNBB

Dom Jaime Spengler, OFM
Arcebispo de Porto Alegre – RS
1º Vice-Presidente

Dom Mário Antônio da Silva
Bispo de Roraima – RR
2º Vice-Presidente

Dom Joel Portella Amado
Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro – RJ
Secretário-Geral da CNBB

 

[1] cf. Gaudium et Spes, 1.

[2] cf. CNBB, Mensagem ao Povo de Deus, 2018.

[3] Papa Francisco, Mensagem para o IV Dia Mundial dos Pobres, 2020.

[4] Constituição Federal, art. 196.

[5] cf. CNBB, OAB, C.Arn´s, ABI, ABC e SBPC, O povo não pode pagar com a própria vida,10 de março de 2021.

[6] cf. Papa Francisco, Mensagem para o lançamento do Pacto Educativo Global, 12 de setembro 2019.

[7] Papa Francisco, Laudato Si´, 145.

[8] Papa Francisco, Laudato Si´, 112.

[9] Papa Francisco, Fratelli Tutti, Cap. V.

[10] cf. Papa Francisco, Fratelli Tutti, 233.

[11] Papa Francisco, Mensagem 58ª. AG CNBB.

 

Fonte: CNBB

O Papa Francisco enviou uma mensagem de vídeo para o episcopado brasileiro reunido na 58ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (AG CNBB) desde a segunda-feira, 12 de abril. O Santo Padre optou por dirigir-se aos bispos do Brasil falando espanhol, razão pela qual pediu desculpas e justificou tratar-se de um idioma que argentinos e brasileiros entendem bem o “portunhol”.

Francisco estendeu carinhosamente, através dos bispos do Brasil, a mensagem também “a cada brasileiro e brasileira” e ao amado Brasil, país que em sua avaliação “enfrenta uma das provas mais difíceis de sua história”.

“Desejo, em primeiro lugar, manifestar a minha proximidade a todas as centenas de milhares de famílias que choram a perda de um ente querido. Jovens, idosos, pais e mães, médicos e voluntários, ministros sagrados, ricos e pobres: a pandemia não excluiu ninguém no seu rastro de sofrimento”, disse o chefe da Igreja Católica.

No vídeo, o Pontífice dirige uma mensagem de ânimo aos bispos brasileiros no contexto da celebração da Páscoa e da Ressurreição de Jesus Cristo. “O anúncio Pascal é um anúncio que renova a esperança nos nossos corações: não podemos dar-nos por vencidos! Como cantamos na sequência do Domingo de Páscoa: ‘Duelam forte e mais forte: é a vida que enfrenta a morte. O Rei da vida, cativo, é morto, mas reina vivo!’ Sim queridos irmãos, o mais forte está ao nosso lado! Cristo venceu! Venceu a morte! Renovemos a esperança de que a vida vencerá!”, disse.

O Santo Padre aponta, na mensagem, o caminho para superar o “momento trágico” da pandemia da Covid-19 no país. “A nossa fé em Cristo Ressuscitado nos mostra que podemos superar esse momento trágico. Nossa esperança nos dá coragem para nos reerguemos. A caridade nos impulsiona a chorar com os que choram e a dar a mão, sobretudo aos mais necessitados, para que possam voltar a sorrir. E a caridade nos impulsiona a nós como Bispos a nos despojar. Não tenham medo de despojar-se. Cada um sabe de que coisa… É possível superar a pandemia, é possível superar suas consequências”, afirmou.

O Sucessor de Pedro exorta os bispos a buscarem a unidade, deixando de lado as divisões e desentendimentos, e se encontrando no que é essencial: “Sempre Jesus! Nele está a nossa base, a nossa força, a nossa unidade”. O Chefe da Igreja disse que a missão da Igreja no Brasil, mais do que nunca, é  “ser instrumento de reconciliação, ser instrumento de unidade (…). A Conferência Episcopal deve ser una neste momento, pois o povo que sofre é uno”, conclamou.

Francisco encoraja os bispos a não desanimarem frente aos desafios. “Porém sabemos que o Senhor caminha conosco: ‘Eis que estarei convosco, todos os dias, até o final dos tempos’ (Mt 28,20) – nos diz Ele. Por isso, na certeza de que ‘não nos deu um espírito de covardia, mas de fortaleza, de amor e moderação’ (2 Tim 1,7), deixemos “de lado tudo o que nos atrapalha e o pecado que nos envolve”, disse.

“Peço ao Senhor ressuscitado que esta Assembleia Geral produza frutos de unidade e reconciliação para todo o povo brasileiro e na Conferência Episcopal. Unidade que não é uniformidade, mas que é harmonia: essa unidade harmônica que somente o Espírito Santo confere. Imploro à Nossa Senhora Aparecida que Ela, como Mãe, fomente entre todos os seus filhos a graça de ser defensores do bem e da vida dos outros, bem como promotores da fraternidade”, conclui Francisco.

Veja, no vídeo abaixo, a mensagem que o Papa enviou especialmente para os bispos brasileiros reunidos na 58ª AG CNBB: aqui.

Mensagem do Papa Francisco ao Episcopado Brasileiro

Fonte: CNBB

Os bispos do Brasil reunidos em sua 58ª Assembleia Geral aprovaram, na sessão de manhã, nesta terça-feira, 13 de abril, a mensagem destinada ao Papa Francisco. No texto, o episcopado brasileiro renova o seu apreço, carinho e fidelidade ao Santo Padre.

Os bispos também buscam, no documento, de modo geral, deixar o Santo Padre informado sobre as pautas em discussão na 58ª AG CNBB e dos assuntos importantes para o clero e o povo de Deus na Igreja no Brasil, além de expressar sua comunhão com a Igreja do mundo todo.

Partindo do fato de que, dadas as circunstâncias sanitárias atuais, a Assembleia acontece de forma virtual e requer a colaboração de todos, os bispos do Brasil reconhecem igualmente o esforço de Francisco para a manutenção da unidade eclesial, sobretudo mediante a proposição do diálogo constante e fraeterno, seja no próprio meio católico, seja com os irmãos de outras denominações religiosas e culturas.

O legado eclesial e social das iniciativas do Pontífice também foi lembrado: a encíclica Fratelli tutti, o ano dedicado a São José e às famílias, a retomada dos ensinamentos da exortação apostólica Amoris laetitia, bem como o Pacto Global pela Educação e a Economia de Francisco.

Os bispos também deram destaques às condições impostas pela pandemia da Covid-19 ao Brasil, que ao mesmo tempo demonstram não somente as fragilidades que o país possui para o seu devido enfrentamento, como também as iniciativas despertadas, no âmbito da Igreja no Brasil, para o socorro e autêntica demonstração de caridade evangélica para com os que sofrem seus efeitos. No documento, os bispos do Brasil agradecem a solidariedade do Papa Francisco para com o povo brasileiro.

A mensagem recorda ainda que o eixo condutor dos trabalhos da Assembleia é a reflexão sobre a Palavra de Deus, em consonância com as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (2019-2023). Lembram também a consonância com o Santo Padre no sentido de buscar a purificação da Igreja por meio da proteção das crianças e adolescentes em relação aos casos de abusos por parte do clero, e enaltecem a iniciativa do Sínodo para a Amazônia, bem como o documento dele originado, “Querida Amazônia”, que se traduz numa nova sensibilidade para lidar com os problemas daquela região.

Por fim, acompanham e rezam para que a Assembleia Eclesial da América Latina e Caribe seja um momento de retomar luzes, perspectivas e esperanças, tantos anos depois da Conferência de Aparecida, da qual Francisco foi um participante decisivo. Veja, abaixo, a íntegra da mensagem aprovada pela plenária da 58ª Assembleia Geral da CNBB:

 

CARTA AO PAPA DA 58ª AG CNBB

Amado Papa Francisco,

Nós, os Bispos do Brasil, reunidos neste ano, de 12 a 16 de abril, por plataforma virtual, a partir de nossas Igrejas Particulares, vivenciamos nossa 58ª Assembleia Geral Ordinária. Neste tempo difícil e desafiador, quisemos viver, neste formato possível, nosso encontro anual, que não nos foi possível realizar no ano passado, devido à insegurança e aos riscos causados pelo início da pandemia da COVID-19.

Expressamos e renovamos nossa fidelidade e nossa comunhão com Vossa Santidade, Bispo de Roma e Sucessor de Pedro. Reconhecemos seus inúmeros esforços para construir a unidade na Igreja e com os demais cristãos e favorecer o diálogo com outras religiões não cristãs e com a pluralidade das culturas. Pudemos, de modo exemplar, perceber isto na sua recente viagem ao Iraque, pelos caminhos da fé de Abraão, e nos fecundos diálogos empreendidos ali pela paz e pela concórdia entre os povos, buscando levar também bálsamo espiritual às muitas feridas causadas pelos históricos conflitos naquela região.

Agradecemos pelos frutos e boas repercussões eclesiais e sociais entre nós gerados pela Encíclica Fratelli tutti e pelo ano dedicado ao Patriarca São José e às famílias. Com o auxílio deste “homem justo”, iluminados e impulsionados pelas indicações pastorais da Exortação Amoris Laetitia, haveremos de relançar o olhar pastoral sobre a realidade das famílias. O ano da “Família Amoris Laetitia”, iniciado em 19 de março e a ser concluído com o X Encontro Mundial de Famílias, em junho de 2022, certamente será um norte seguro para nossa ação evangelizadora das famílias. Sem descuidar igualmente dos esforços da nossa comunidade cristã na construção da grande família humana, chamada a construir-se como casa de irmãos e irmãs, no respeito, na amizade e no diálogo amoroso.

Também não podemos deixar de externar nossos sentimentos de gratidão pela proximidade paterna e misericordiosa de Vossa Santidade, expressa nas muitas formas de concreta solidariedade manifestadas ao povo brasileiro, neste tempo em que a pandemia fez aflorar misérias, sofrimentos e precariedades em muitas regiões e dioceses brasileiras. Os apelos mundiais de Vossa Santidade em relação ao Pacto Global pela Educação e Economia de Francisco estão sendo divulgados e acolhidos pelos respectivos segmentos, com adesões importantes e criativas da sociedade e da Igreja no Brasil.

Nesta pandemia estamos experimentando e assistindo a situações de grande dor e de belas iniciativas, a saber, de um lado, a fragilidade de nossas políticas públicas, a inabilidade de nossos governantes no trato da pandemia, o negacionismo de uma parcela de brasileiros, a politização e ideologização da pandemia, a impossibilidade dos ritos e orações por ocasião do sepultamento dos mortos por COVID-19, causando dor ainda maior às famílias; por outro lado, a solidariedade entre as pessoas, famílias e comunidades, as muitas e criativas formas de presença junto aos que sofrem com a solidão e o abandono, sobretudo os idosos. A pandemia nos tem educado para muitas ações de evangélica caridade, de socorro aos mais vulneráveis, num belo e criativo pacto pela vida e pelo nosso sofrido Brasil.

Contudo, não faltam iniciativas pastorais e vozes proféticas para apontar o Reino e a primazia da vida. Não estamos silenciados! Não estamos omissos! Mesmo reconhecendo o poder das forças de destruição e de morte a que estamos sujeitos. Não perdemos de vista o Evangelho e a presença invisível e vitoriosa do Senhor Jesus, o Vivente, que nos acompanha e nos ajuda a interpretar a história em chave pascal, como fez com os discípulos de Emaús.

Nossa Assembleia Geral dedica-se neste ano, em consonância com as atuais Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, ao tema da Igreja como Casa da Palavra de Deus. “Casa da Palavra: animação bíblica da vida e da pastoral a partir das comunidades eclesiais missionárias”. A partir da imagem bíblica da semente (Mt 13,1-9) queremos mergulhar no mistério do Cristo-Palavra, nos desafios da semeadura neste nosso tempo, nos terrenos prioritários, nos meios para semear. Conhecer a Escritura é conhecer Cristo. Ele é nossa Páscoa e nossa Paz! “Do que era dividido fez uma unidade” (Ef 2,14a). É preciso recomeçar sempre a partir d’Ele! Anuncia-lo com novo ardor, novos métodos, novo testemunho é missão sempre nova e urgente.

Unimo-nos a Vossa Santidade nos esforços pela purificação, conversão e justiça frente aos casos de abusos cometidos por membros da Igreja. Nossas dioceses estão, pouco a pouco, estruturando os “Serviços diocesanos de proteção de crianças, adolescentes e vulneráveis”, para responder e combater este mal que precisa ser extirpado. Há uma assessoria nacional, Núcleo Lux Mundi, que tem prestado grande ajuda às Dioceses e Congregações Religiosas na constituição deste serviço eclesial.

O Sínodo para a Amazônia e a Exortação Apostólica Pós-sinodal “Querida Amazônia” repercutem em nova sensibilidade, gestos de solidariedade e novas atenções pastorais sobre as belezas e problemáticas que tocam aquela região, ainda marcada por graves agressões.

Acompanhamos e rezamos pela Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe, a realizar-se em novembro próximo, para celebrar, rever e retomar as luzes, perspectivas e esperanças da Conferência de Aparecida, quatorze anos após aquele encontro do episcopado latino-americano e caribenho, da qual Vossa Santidade, ainda como Arcebispo de Buenos Aires, participou e colaborou decisivamente.

Os Bispos presentes a esta Assembleia Geral do episcopado brasileiro, juntamente com aqueles que nos auxiliam neste encontro, sacerdotes, diáconos, religiosas, cristãos leigos e leigas, assessores e convidados, cada um, a partir de sua Igreja Local, do seu lar ou do seu local de trabalho pastoral, suplica sua bênção apostólica e eleva a Deus uma prece, pela intercessão da Virgem Aparecida, pela sua vida e ministério na Igreja.

Em fecunda e permanente comunhão orante,

Brasília-DF, 13 de abril de 2021.
A presidência.

 

Fonte: CNBB

Aspectos pastorais e sociais da pandemia que já devastou a vida de mais de 350 mil brasileiros, foram partilhados no início da tarde de hoje, 15 de abril, na quarta coletiva de imprensa da 58ª Assembleia Geral da CNBB. O arcebispo de Manaus (AM), dom Leonardo Steiner, e o arcebispo de Florianópolis (SC), dom Wilson Tadeu Jönck, apresentaram aos jornalistas os múltiplos desafios enfrentados nas duas regiões do país.

 

Dom Leonardo Steiner

De acordo com dom Leonardo Steiner, a falta de informação para a população por parte do governo e o sucateamento do Sistema Único de Saúde (SUS) agravaram o que ele chamou de ‘grande desastre’. “Cerca de 50% da população do Amazonas vive na região metropolitana de Manaus (AM). Só na periferia da capital moram cerca de 36 mil indígenas. Já na primeira onda da pandemia do novo coronavírus, mesmo com a criação de dois hospitais de campanha, a rede do SUS era insuficiente para atender a população. Muitas pessoas vieram a óbito”, disse o arcebispo.

“Desde o início da pandemia, reunimos o conselho presbiteral e foram suspensas todas as celebrações e encontros presenciais. Procuramos atender os cemitérios, que diariamente recebiam até 85 funerais. A segunda onda foi ainda mais difícil, com repercussão na grande mídia com a falta de oxigênio. Nós exportamos o vírus para outros estados com a transferência de infectados”, comentou dom Leonardo. O arcebispo ainda agradeceu a solidariedade recebida de todo o país e de organizações internacionais.

 

Auxílio aos empobrecidos

Dom Wilson Tadeu Jönck partilhou que em Santa Catarina, no início da pandemia, o poder público atuou ativamente no controle da transmissão vírus. Com a chegada do inverno também veio o agravamento da primeira onda da pandemia na região. “A Igreja atuou ativamente com ações de solidariedade. Quando nosso povo é solicitado, ele atende de uma forma extraordinária. Em Florianópolis (SC), frentes de ações da arquidiocese formaram um grande mutirão e muito foi arrecadado. Vivenciamos tudo isso junto com a população”, disse.

De acordo com dados registrados da Ação Solidária Emergencial ‘Tempo de Cuidar’, a arquidiocese de Florianópolis foi a que arrecadou alimentos junto à campanha em todo o país. Foram mais de 500 toneladas de alimentos distribuídos entre a população de rua, desempregados, migrantes e outros necessitados. Também foram registrados a arrecadação de kits de higiene e equipamentos de proteção individual.

Dom Wilson Tadeu Jönck

O arcebispo de Florianópolis partilhou ainda que com a redução dos números de vítimas no final de 2020, houve um relaxamento das restrições, o que acarretou no agravamento da transmissão do vírus no sul do país. “Os números em Santa Catarina ainda são altos. Hoje a grande precariedade é o atendimento nos hospitais e a falta de vagas em UTI’s”, comentou.

 

Segunda fase da Ação Solidária

Também participou da coletiva o bispo de Roraima, presidente da Cáritas Brasileira e 2º vice-presidente da CNBB , dom Mário Antônio da Silva. O bispo apresentou os impactos sociais trazidos pela primeira fase da ‘Ação Solidária Emergencial da Igreja no Brasil Tempo de Cuidar’ um ano após o lançamento. Dom Mário também ressaltou que agora a Ação Solidária iniciou uma segunda fase no último domingo, 11 de abril, evidenciando o agravamento da pandemia e da fome em todo o país.

 

Confira o relatório com registros da primeira fase da Ação Solidária clicando (aqui).

 

Fonte: CNBB

Aspectos pastorais e sociais da pandemia que já devastou a vida de mais de 350 mil brasileiros, foram partilhados no início da tarde de hoje, 15 de abril, na quarta coletiva de imprensa da 58ª Assembleia Geral da CNBB. O arcebispo de Manaus (AM), dom Leonardo Steiner, e o arcebispo de Florianópolis (SC), dom Wilson Tadeu Jönck, apresentaram aos jornalistas os múltiplos desafios enfrentados nas duas regiões do país.

Dom Leonardo Steiner
Dom Leonardo Steiner

De acordo com dom Leonardo Steiner, a falta de informação para a população por parte do governo e o sucateamento do Sistema Único de Saúde (SUS) agravaram o que ele chamou de ‘grande desastre’. “Cerca de 50% da população do Amazonas vive na região metropolitana de Manaus (AM). Só na periferia da capital moram cerca de 36 mil indígenas. Já na primeira onda da pandemia do novo coronavírus, mesmo com a criação de dois hospitais de campanha, a rede do SUS era insuficiente para atender a população. Muitas pessoas vieram a óbito”, disse o arcebispo.

“Desde o início da pandemia, reunimos o conselho presbiteral e foram suspensas todas as celebrações e encontros presenciais. Procuramos atender os cemitérios, que diariamente recebiam até 85 funerais. A segunda onda foi ainda mais difícil, com repercussão na grande mídia com a falta de oxigênio. Nós exportamos o vírus para outros estados com a transferência de infectados”, comentou dom Leonardo. O arcebispo ainda agradeceu a solidariedade recebida de todo o país e de organizações internacionais.

Auxílio aos empobrecidos

Dom Wilson Tadeu Jönck
Dom Wilson Tadeu Jönck

Dom Wilson Tadeu Jönck partilhou que em Santa Catarina, no início da pandemia, o poder público atuou ativamente no controle da transmissão vírus. Com a chegada do inverno também veio o agravamento da primeira onda da pandemia na região. “A Igreja atuou ativamente com ações de solidariedade. Quando nosso povo é solicitado, ele atende de uma forma extraordinária. Em Florianópolis (SC), frentes de ações da arquidiocese formaram um grande mutirão e muito foi arrecadado. Vivenciamos tudo isso junto com a população”, disse.

De acordo com dados registrados da Ação Solidária Emergencial ‘Tempo de Cuidar’, a arquidiocese de Florianópolis foi a que arrecadou alimentos junto à campanha em todo o país. Foram mais de 500 toneladas de alimentos distribuídos entre a população de rua, desempregados, migrantes e outros necessitados. Também foram registrados a arrecadação de kits de higiene e equipamentos de proteção individual.

O arcebispo de Florianópolis partilhou ainda que com a redução dos números de vítimas no final de 2020, houve um relaxamento das restrições, o que acarretou no agravamento da transmissão do vírus no sul do país. “Os números em Santa Catarina ainda são altos. Hoje a grande precariedade é o atendimento nos hospitais e a falta de vagas em UTI’s”, comentou.  

Segunda fase da Ação Solidária

Também participou da coletiva o bispo de Roraima, presidente da Cáritas Brasileira e 2º vice-presidente da CNBB , dom Mário Antônio da Silva. O bispo apresentou os impactos sociais trazidos pela primeira fase da ‘Ação Solidária Emergencial da Igreja no Brasil Tempo de Cuidar’ um ano após o lançamento. Dom Mário também ressaltou que agora a Ação Solidária iniciou uma segunda fase no último domingo, 11 de abril, evidenciando o agravamento da pandemia e da fome em todo o país.

Confira o relatório com registros da primeira fase da Ação Solidária clicando (aqui). 

A Igreja celebra, hoje, 19 de março, a Solenidade de São José, Esposo de Maria. E uma programação especial foi preparada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) foi preparada para honrar o Padroeiro Universal da Igreja neste ano a ele dedicado. Também hoje será aberto o Ano Família Amoris Laettia, convocado pelo Papa Francisco, por ocasião dos cinco anos do documento que é fruto dos Sínodos sobre a Família, em 2014 e 2015.

O Papa Francisco dedicou a São José uma intensa carta apostólica “Patris Corde – com um Coração de Pai” em memória dos 150 anos da declaração como Padroeiro universal da Igreja e, ao mesmo tempo, lhe dedicou o Ano de São José até 8 de dezembro de 2021. Francisco chama José, de o pai amado, pai na ternura, na obediência e no acolhimento, pai de coragem criativa, trabalhador e sempre na penumbra.

Um subsídio pastoral produzido pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização em 5 idiomas diferentes, entre eles, o português, já está disponível do site do dicastério para preparar as paróquias e as comunidades cristãs para as 24 horas para o Senhor. O material é dirigido a fiéis que podem se aproximar do Sacramento da Reconciliação ou a quem, devido às restrições da pandemia, vai viver a iniciativa em casa, com a oração pessoal, a partir do final da tarde desta sexta-feira (12).

Na sua mensagem ao povo iraquiano antes da sua Viagem Apostólica o Santo Padre se apresenta como peregrino de paz e de esperança. E recordando o pai Abraão, afirma “confiando em Deus, deu vida a uma descendência tão numerosa quanto as estrelas do céu”. E faz um convite a todos os irmãos e irmãs: “caminhem com esperança e nunca deixem de olhar para as estrelas. Ali está a nossa promessa”

"E vou até vocês como peregrino de paz, para repetir: "Sois todos irmãos" (Mt 23,8). Sim, vou como peregrino da paz em busca de fraternidade, animado pelo desejo de rezar juntos e caminhar juntos, também com irmãos e irmãs de outras tradições religiosas, unidos pelo pai Abraão, que reúne em uma só família muçulmanos, judeus e cristãos”, disse o Papa Francisco aos iraquianos um dia antes de sua viagem.

O Papa Francisco nomeou o Arcebispo de São Salvador da Bahia e Primaz do Brasil, cardeal Dom Sergio da Rocha, como membro da Congregação para os Bispos, na manhã desta quinta-feira, dia 4 de março. Na ocasião, também foi nomeado para a mesma função o cardeal americano Joseph William Tobin, de Newark. “Recebo esta nomeação com humildade e gratidão ao Papa Francisco, esperando contar com a graça de Deus e as orações de todos, para poder cumprir de modo fiel e generoso esse serviço à Igreja”, afirmou o Cardeal Dom Sergio da Rocha.

A Congregação para os Bispos é um dos principais organismos da Cúria Romana, que cuida da criação das dioceses, da nomeação de bispos, das visitas “ad Limina” e dos encontros de bispos novos. Portanto, tem um campo de atuação vasto e de especial importância na Igreja. “A nomeação representa um gesto de bondade do Papa em relação a mim e, sobretudo, de grande estima e consideração pelo episcopado brasileiro e pela Igreja no Brasil. A nomeação para ser membro da Congregação para os Bispos não é uma honraria, mas sim um serviço muito exigente que sou chamado a prestar à Igreja, a pedido do Papa, continuando minha missão de Arcebispo de Salvador”, disse Dom Sergio.

O atual prefeito da Congregação para os Bispos é o cardeal canadense Marc Ouellet e o Secretário é o bispo brasileiro Dom Ilson Montanari. É importante recordar que Dom Lucas Moreira Neves, que foi Arcebispo de Salvador de 1987 a 1998, desempenhou o ofício de prefeito da Congregação para os Bispos.

Fonte: Papa Francisco nomeia Cardeal Dom Sergio da Rocha como membro da Congregação para os Bispos | Arquidiocese de São Salvador da Bahia (arquidiocesesalvador.org.br)

O Pontífice enviou uma mensagem por ocasião da apresentação da “Fratelli Tutti” em língua russa na tarde desta quarta-feira (3), em Moscou. Foi uma alegre surpresa para o Papa saber da tradução, pois abre “uma discussão aberta e sincera” sobre os temas da encíclica para “promover o diálogo entre as religiões. Na verdade, a fraternidade vem do fato de reconhecer um único Pai. E, se todos somos filhos de um único Pai, então podemos nos chamar de irmãos e, acima de tudo, viver como tal.”

De “quentinhas” oferecidas nas portas dos hospitais aos familiares que esperam por notícias dos pacientes internados por Covid-19 à campanha do Regional Norte 1 da CNBB para arrecadar fundos para a compra de oxigênio: assim a Igreja Católica procura amenizar a dramática situação vivida pela população do Amazonas. Até esta segunda-feira (18) de manhã, já tinham sido arrecadados cerca de 170 mil reais. "Estamos vivendo uma tragédia em Manaus nos últimos dias, mas ao mesmo tempo também somos chamados a ser sinal de esperança e a acompanhar tanta gente que está sofrendo”, afirma em depoimento ao Vatican News, o missionário espanhol, Pe. Luis Miguel Modino.

“Permanecei no meu amor e produzireis muitos frutos” (cf. João 15, 5-9) é o tema da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos deste ano. De 18 a 25 de janeiro, as Igrejas e as confissões cristãs são chamadas a refletir, invocando mais intensamente o espírito de comunhão. Os subsídios deste ano foram preparados pelas monjas de Grandchamp, na Suíça, que participarão através do seu site e da página Facebook

Cuidar do outro é praticar a fé, “pois ninguém está imune do mal da hipocrisia”, diz o Papa Francisco na mensagem para o Dia Mundial do Enfermo 2021. O Pontífice repete a crítica feita por Jesus a quem diz, mas não faz e acaba reduzindo a fé a “exercícios verbais estéreis, sem se envolver na história e nas necessidades do outro”.

"O Papa Francisco, na Carta Encíclica Fratelli Tutti, ensina que a palavra solidariedade expressa muito mais do que gestos esporádicos. “A solidariedade, no seu sentido mais profundo, é uma forma de fazer história” (Carta Encíclica Fratelli Tutti, n. 116). A humanidade está adoecida pela pandemia e só encontrará a cura se caminhar unida, adotando a solidariedade como princípio que orienta as relações, para que todos tenham a oportunidade de se vacinar, para que cada pessoa assuma a própria responsabilidade no cuidado com o seu semelhante e com a Casa Comum."

A terceira encíclica do papa Francisco, Fratelli Tutti (“todos irmãos”), é um chamado à redescoberta da fraternidade e da amizade social, presentes no subtítulo do texto assinado diante da tumba de São Francisco de Assis, e divulgado pelo Vaticano.

A grande crítica que Francisco faz na Fratelli tutti, e que será desmembrada em vários outros comentários ao longo do texto, se dirige ao individualismo exacerbado dos tempos atuais, que apagou a noção de bem comum como um objetivo a ser buscado por toda a humanidade.

Especialmente nos quatro últimos capítulos de seu texto, Francisco fala sobre as carências estruturais da sociedade mundial e sugere reajustes profundos e transformações importantes.

A POLÍTICA MELHOR
No capítulo 5 de sua encíclica, o Papa afirma que para se tornar possível o desenvolvimento duma comunidade mundial capaz de realizar a fraternidade a partir de povos e nações que vivam a amizade social, é necessária a política melhor, a política colocada ao serviço do verdadeiro bem comum. Mas hoje, infelizmente, de acordo com ele, muitas vezes a política assume formas que dificultam o caminho para um mundo diferente.

O Sumo Pontífice pontua que atualmente muitos possuem uma má noção da política, e não se pode ignorar que frequentemente, por trás deste fato, estão os erros, a corrupção e a ineficiência de alguns políticos. “A isto vêm juntar-se as estratégias que visam enfraquecê-la, substituí-la pela economia ou dominá-la por alguma ideologia. E contudo poderá o mundo funcionar sem política? Poderá encontrar um caminho eficaz para a fraternidade universal e a paz social sem uma boa política?”, questiona.

Ele insiste que a política não deve submeter-se à economia, e esta não deve submeter-se aos ditames e ao paradigma eficientista da tecnocracia. “Embora se deva rejeitar o mau uso do poder, a corrupção, a falta de respeito das leis e a ineficiência, não se pode justificar uma economia sem política, porque seria incapaz de promover outra lógica para governar os vários aspetos da crise atual”, salienta.

Para o Papa, é necessária uma política que pense com visão ampla e leve por diante uma reformulação integral, abrangendo num diálogo interdisciplinar os vários aspetos da crise. “Penso numa política salutar, capaz de reformar as instituições, coordená-las e dotá-las de bons procedimentos, que permitam superar pressões e inércias viciosas. Não se pode pedir isto à economia, nem aceitar que ela assuma o poder real do Estado”, reitera.

Ainda de acordo com ele, a sociedade mundial tem graves carências estruturais que não se resolvem com remendos ou soluções rápidas meramente ocasionais. Há coisas que devem ser mudadas com reajustamentos profundos e transformações importantes. E só uma política sã poderia conduzir o processo, envolvendo os mais diversos setores e os conhecimentos mais variados.

“Desta forma, uma economia integrada num projeto político, social, cultural e popular que vise o bem comum pode abrir caminho a oportunidades diferentes, que não implica frenar a criatividade humana nem o seu sonho de progresso, mas orientar esta energia por novos canais”, pontuou.

DIÁLOGO E AMIZADE SOCIAL
No capítulo 6, Papa Francisco fala que aproximar-se, expressar-se, ouvir-se, olhar-se, conhecer-se, esforçar-se por entender-se, procurar pontos de contato se resumem no verbo dialogar.

Ele afirma que para nos encontrar e ajudar mutuamente é preciso dialogar. “Não é necessário dizer para que serve o diálogo; é suficiente pensar como seria o mundo sem o diálogo paciente de tantas pessoas generosas, que mantiveram unidas famílias e comunidades”, disse. Para ele, o diálogo perseverante e corajoso não faz notícia como as desavenças e os conflitos; e contudo, de forma discreta mas muito mais do que possa-se notar, ajuda o mundo a viver melhor.

Ainda durante as próximas páginas, o Papa salienta que a falta de diálogo supõe que ninguém, nos diferentes setores, está preocupado com o bem comum, mas com obter as vantagens que o poder lhe proporciona ou, na melhor das hipóteses, com impor o seu próprio modo de pensar.

“Assim a conversação reduzir-se-á a meras negociações para que cada um possa agarrar todo o poder e as maiores vantagens possíveis, sem uma busca conjunta que gere bem comum”, disse. Os heróis do futuro, de acordo com ele, serão aqueles que souberem quebrar esta lógica morbosa e, ultrapassando as conveniências pessoais, decidam sustentar respeitosamente uma palavra densa de verdade. “Queira Deus que estes heróis se estejam gerando silenciosamente no coração da nossa sociedade”, afirma.

Para o Papa Francisco, o diálogo social autêntico pressupõe a capacidade de respeitar o ponto de vista do outro, aceitando como possível que contenha convicções ou interesses legítimos. “A partir da própria identidade, o outro tem algo para dar, e é desejável que aprofunde e exponha a sua posição para que o debate público seja ainda mais completo”, diz. Para ele, sem dúvida, quando uma pessoa ou um grupo é coerente com o que pensa, adere firmemente a valores e convicções e desenvolve um pensamento, isto irá de uma maneira ou outra beneficiar a sociedade; mas só se verifica realmente na medida em que o referido desenvolvimento se realizar em diálogo e na abertura aos outros.

PERCURSOS DUM NOVO ENCONTRO
Em muitas partes do mundo, Francisco no capítulo 7, afirma faltar percursos de paz que levem a cicatrizar as feridas. Para ele há necessidade de artesãos de paz prontos a gerar, com inventiva e ousadia, processos de cura e de um novo encontro.

O percurso para a paz, segundo Francisco, não implica homogeneizar a sociedade, mas permitir-nos trabalhar juntos. “Pode unir muitos nas pesquisas comuns, onde todos ganham. Perante um certo objetivo comum, poder-se-á contribuir com diferentes propostas técnicas, distintas experiências, e trabalhar em prol do bem comum”.

Para ele, é preciso procurar identificar bem os problemas que atravessa uma sociedade, para aceitar que existem diferentes maneiras de encarar as dificuldades e resolvê-las.

“O caminho para uma melhor convivência implica sempre reconhecer a possibilidade de que o outro contribua com uma perspectiva legítima, pelo menos em parte, algo que possa ser recuperado, mesmo que se tenha equivocado ou tenha agido mal. Porque o outro nunca há de ser circunscrito àquilo que pôde ter dito ou feito, mas deve ser considerado pela promessa que traz em si mesmo, uma promessa que deixa sempre um lampejo de esperança”, afirma.

Francisco também reitera que nunca está terminada a construção da paz social num país, e que isso é uma tarefa que não dá tréguas e exige o compromisso de todos. Uma obra que, de acordo com ele, nos pede para não esmorecermos no esforço por construir a unidade da nação e – apesar dos obstáculos, das diferenças e das diversas abordagens sobre o modo como conseguir a convivência pacífica – persistirmos na labuta por favorecer a cultura do encontro que exige que, no centro de toda a ação política, social e econômica, se coloque a pessoa humana, a sua sublime dignidade e o respeito pelo bem comum.

“Que este esforço nos faça esquivar de toda a tentação de vingança e busca de interesses apenas particulares e a curto prazo. As manifestações públicas violentas, de um lado ou do outro, não ajudam a encontrar vias de saída, sobretudo porque, quando se incentivam – como bem assinalaram os bispos da Colômbia – as mobilizações dos cidadãos, nem sempre aparecem claras as origens e objetivos das mesmas; não faltam formas de manipulação política e apropriações a favor de interesses particulares”, argumenta Francisco.

AS RELIGIÕES A SERVIÇO DA FRATERNIDADE NO MUNDO
As várias religiões, ao partir do reconhecimento do valor de cada pessoa humana como criatura chamada a ser filho ou filha de Deus, oferecem – segundo o Papa – uma preciosa contribuição para a construção da fraternidade e a defesa da justiça na sociedade. No capítulo 8 e último de sua encíclica, o Papa salienta que o diálogo entre pessoas de diferentes religiões não se faz apenas por diplomacia, amabilidade ou tolerância. “Como ensinaram os bispos da Índia, o objetivo do diálogo é estabelecer amizade, paz, harmonia e partilhar valores e experiências morais e espirituais num espírito de verdade e amor”, garante.

“A partir da experiência de fé e da sabedoria que se vem acumulando ao longo dos séculos e aprendendo também das nossas inúmeras fraquezas e quedas, como crentes das diversas religiões sabemos que tornar Deus presente é um bem para as nossas sociedades”.

Conforme Francisco buscar a Deus com coração sincero, desde que não o ofusquemos com interesses ideológicos ou instrumentais, ajuda a reconhecer-nos como companheiros de estrada, verdadeiramente irmãos.

“Julgamos que, quando se pretende, em nome duma ideologia, expulsar Deus da sociedade, acaba-se adorando ídolos, e bem depressa o próprio homem se sente perdido, a sua dignidade é espezinhada, os seus direitos violados. Conheceis bem a brutalidade a que pode conduzir a privação da liberdade de consciência e da liberdade religiosa, e como desta ferida se gera uma humanidade radicalmente empobrecida, porque fica privada de esperança e de ideais”.

Para ele, a Igreja valoriza a ação de Deus nas outras religiões e nada rejeita do que, nessas religiões, existe de verdadeiro e santo. Olha com sincero respeito esses modos de agir e viver, esses preceitos e doutrinas que refletem não raramente um raio da verdade que ilumina todos os homens.

Como cristãos, o Papa pede que, nos países onde se é minoria, seja garantida a liberdade, tal como se é favorecida para aqueles que não são cristãos onde eles são minoria. “Existe um direito humano fundamental que não deve ser esquecido no caminho da fraternidade e da paz: é a liberdade religiosa para os crentes de todas as religiões”, afirma.

Esta liberdade, de acordo com ele, manifesta que podemos encontrar um bom acordo entre culturas e religiões diferentes; “testemunha que as coisas que temos em comum são tantas e tão importantes que é possível individuar uma estrada de convivência serena, ordenada e pacífica, na aceitação das diferenças e na alegria de sermos irmãos porque filhos de um único Deus”.

Por fim, o Papa afirma que os líderes religiosos, são chamados a ser verdadeiros “dialogantes”, a agir na construção da paz, e não como intermediários, mas como mediadores autênticos. “Os intermediários procuram contentar todas as partes, com a finalidade de obter um lucro para si mesmos. O mediador, ao contrário, é aquele que nada reserva para si próprio, mas que se dedica generosamente, até se consumir, consciente de que o único lucro é a paz”.

“Cada um de nós é chamado a ser um artífice da paz, unindo e não dividindo, extinguindo o ódio em vez de o conservar, abrindo caminhos de diálogo em vez de erguer novos muros”.

 

Fonte: Fratelli Tutti: últimos capítulos mostram desejo do Papa por uma sociedade fraterna, solidária e pacífica | CNBB

Em 2021, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) vai continuar na implantação das atuais Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora (DGAE) da Igreja no Brasil, acelerar o processo de animação bíblica da vida e da Pastoral e manter o mote do cuidado como perspectiva pastoral. É o que informa em entrevista o bispo auxiliar da arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro (RJ) e secretário-geral da CNBB, dom Joel Portella Amado.

“No próximo ano, vamos acelerar um processo que já vem caminhando há alguns anos e preparar o terreno para que o mesmo processo continue, pois a relação da vida e da pastoral com a Palavra de Deus não é uma questão de momento, mas do dia a dia de toda pessoa de fé”, afirma.

O planejamento geral para as ações da Conferência Episcopal em 2021, segundo dom Joel, “consiste em prosseguir na implantação das Diretrizes Gerais”. Os detalhes, segundo ele, ficam por conta das Comissões Episcopais de Pastoral, que aplicam em cada realidade à qual estão relacionadas iniciativas concretas à luz das DGAE 2019-2023.

Num contexto em que a pandemia inviabilizou reuniões, encontros e a própria Assembleia Geral da CNBB, novas possibilidades surgiram. O mundo virtual torna-se agora ambiente e ferramenta a ser ainda mais aproveitado. “Ao longo de 2020, tivemos um grande aprendizado. Evoluímos muito e creio que ainda vamos amadurecer mais”, projeta dom Joel, que pede: “reze por mim”.

Confira as principais respostas:

– Dentro das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE), o que a CNBB pretende destacar na sua ação pastoral no próximo ano?

Desde 2020, a CNBB tem procurado auxiliar na implantação das comunidades eclesiais missionárias, a partir dos pilares. Lembro que as atuais Diretrizes só possuem uma única prioridade, que são as comunidades eclesiais missionárias. Os pilares são os caminhos para a implantação e a sustentação das mesmas.

O primeiro pilar escolhido foi o da Palavra de Deus: Igreja Casa da Palavra. Há uma equipe que está refletindo sobre o tema, preparando um texto a ser estudado na 58ª AGO, em abril de 2021. Ao longo da preparação do texto, a equipe percebeu que não se trata apenas de estimular temporariamente o contato com a Palavra de Deus, fazendo surgir outras preocupações ao final da vigência das atuais Diretrizes. Ao contrário, trata-se de iniciar um processo mais amplo, que marque a Igreja no Brasil, levando os católicos a se aproximarem ainda mais da Palavra de Deus. É claro que os católicos não estão afastados da Palavra de Deus, mas sempre se pode avançar mais.

Dessa preocupação decorre o que se convencionou chamar de Animação Bíblica da Pastoral. Em alguns texto, também se lê Animação Bíblica da Vida e da Pastoral. Na verdade, estamos falando do mesmo tema: a Palavra de Deus na vida de pessoas, grupos, comunidades e na sociedade. Certamente, não se vai fazer a Animação Bíblica apenas em 2021. No próximo ano, vamos acelerar um processo que já vem caminhando há alguns anos e preparar o terreno para que o mesmo processo continue, pois a relação da vida e da pastoral com a Palavra de Deus não é uma questão de momento, mas do dia a dia de toda pessoa de fé.

– O cuidado foi o grande mote da CNBB em 2020. O que teremos como proposta em 2021?

Fica o mote: cuidar. De acordo com o que a realidade nos apresenta, vamos inserindo os detalhes: cuidar da vida, cuidar dos que têm fome, cuidar dos solitários, cuidar de Moçambique, como estamos fazendo agora no final do ano civil.

Cuidar é uma referência contínua para os cristãos. Não podemos voltar nosso coração a Jesus se não O conseguimos encontrar nos irmãos e irmãs que sofrem e também no cuidado pela Casa Comum.

Nesse sentido, a Ação Emergencial É tempo de cuidar adquire uma grande importância. Ela é a integração de diversas forças evangelizadoras e caritativas, tanto especificamente católicas quanto não católicas, mas sensíveis ao sofrimento. Ela é o registro do que tem sido feito, não, é claro, para a vanglória de quem faz, mas para o estímulo de quem não faz.

– Quais atividades devem ter continuidade no ano que vem?

Além do que eu já mencionei nas perguntas acima, com certeza, vamos continuar aprendendo e colocando em prática as ações no mundo virtual. Elas não substituem o presencial, que é indispensável. Mas elas o complementam, ajudam no presencial. Por isso, acredito que continuaremos com lives, videoconferências, webinares e tudo mais que o mundo virtual permite fazer. Ao longo de 2020, tivemos um grande aprendizado. Evoluímos muito e creio que ainda vamos amadurecer mais.

– Algo que queira acrescentar?

Reze por mim.

 

Fonte: Em 2021, CNBB vai acelerar processo de animação bíblica da Pastoral | CNBB

No caminho rumo à Campanha da Fraternidade Ecumênica (CFE) de 2021, a passagem dos discípulos de Emaús (Lc 24,13-35) é apresentada como “pano de fundo” das reflexões contidas no texto base. Durante o Seminário Nacional da CFE 2021, o subsecretário adjunto de Pastoral e assessor da Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-Religioso da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), padre Marcus Barbosa Guimarães, apresentou um “olhar pastoral” do texto dos discípulos de Emaús, relacionando com as reflexões da campanha.

EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL CHRISTUS VIVIT
clique para baixar
Exortação Apostólica “Gaudete et Exsultate: chamado à santidade”
Exortação Apostólica “Gaudete et Exsultate: chamado à santidade” é lançada pelo papa
Área de arquivos
Materiais disponibilizados pela Diocese e pelas pastorais

capa266