21
Qua, Out

Semana Santa: normas da Igreja são para conter o Covid-19, não a oração

Notícias Vaticano

secretário da Congregação para o Culto Divino, o arcebispo Arthur Roche, explica o novo decreto divulgado na quarta-feira (25) com as disposições para as celebrações que vão desde o Domingo de Ramos ao Domingo de Páscoa. As indicações são essenciais para serem seguidas, considerando a rápida evolução da pandemia do coronavírus.

O arcebispo Arthur Roche, secretário da Congregação para o Culto Divino, explica o novo decreto do Dicastério para as celebrações da Páscoa em tempos de pandemia afirmando que, neste momento de provação, “devemos tentar parar o contágio, sem interromper a nossa oração, ao contrário, multiplicando-a”. Confira a entrevista concedida ao Vatican News em que descreve as normas do decreto que levam em consideração, inclusive, as observações recebidas pelas Conferências Episcopais.

Quais são as razões para atualizar o decreto da Congregação do Culto Divino sobre as indicações para a celebração do Tríduo Pascal, uma semana depois da divulgação do primeiro texto?

Dom Roche – “Para todos é evidente que vivemos em tempos de emergência, com situações em rápida evolução. Crises dessa dimensão às vezes requerem novas considerações e atualizações. O primeiro texto era de vários dias atrás. As atualizações foram indispensáveis, inclusive significativas, e sobretudo nos confrontamos com os episcopados dos países mais afetados pela pandemia. Procuramos considerar as observações que recebemos.”

Antes de mais nada, a data da Páscoa não foi adiada, como alguns imaginavam, em consideração à situação nos países atingidos pelo Covid-19. Por quê?

Dom Roche – “A data da Páscoa não pode ser diferida. Vamos celebrá-la depois da preparação deste período especial de Quaresma, tão marcado pela dor, pelo medo, pela incerteza. Recebemos, algumas semanas atrás, as cinzas colocadas sobre a cabeça, e nos foi recordado que somos pó e no pó voltaremos. Mas somos um pó amado por Deus, resgatado por Deus. Jesus sofreu na Cruz, mas venceu a morte, e nós acreditamos na ressureição dos corpos, na vida eterna. A Páscoa é a festa dessa vitória sobre a morte. Nos países mais atingidos pela doença, onde são previstas restrições estabelecidas pelas autoridades civis para evitar aglomerações e movimentos das pessoas, os bispos e os sacerdotes irão celebrar os ritos da Semana Santa sem o povo e num lugar adequado, evitando a concelebração e omitindo a saudação da paz.”

É impressionante esta Páscoa celebrada sem a presença dos fiéis, sem o povo de Deus...

Dom Roche – “É muito doloroso. Mas, neste período de isolamento, a gente viu, porém, como se multiplicou a criatividade dos sacerdotes, que diariamente encontram um modo para ficar próximos às pessoas, com todos os meios à disposição hoje. Muitas pessoas seguem diariamente a missa do Santo Padre direto da Santa Marta e seguem outras celebrações através das redes sociais. Muitos fiéis rezam o terço, conectados ao rádio, à TV e à internet. Vivemos um momento excepcional. Não esqueçamos que Jesus fala da oração pessoal, convidando-nos a fazê-la nos nossos quartos e, assim, nas nossas casas. Sabemos que, por natureza, a fé cristã é relação e é comunidade: a oração comum e a participação comum à mesa eucarística são fundamentais. Mas, neste momento de provação, devemos tentar parar o contágio, sem interromper a nossa oração, ao contrário, multiplicando-a. É importante que os fiéis sejam avisados a hora do início das celebrações, de modo que possam se unir em oração nas próprias casas e que possam segui-las ao vivo, participando desse modo.”

Pode explicar, em síntese, o conteúdo do decreto atualizado?

Dom Roche – “O Domingo de Ramos será celebrado dentro das igrejas, sem a procissão externa. A Missa Crismal, que prevê a participação de todos os sacerdotes do presbitério, poderá ser transferida para uma outra data. Foi deixada essa possibilidade aos episcopados, chamados a avaliar as diferentes situações nos próprios países. Na Missa na Ceia do Senhor, na Quinta-feira Santa, não haverá o lava-pés que, na realidade, já é facultativa, mesmo que se trate de um rito muito significativo. Não haverá a procissão com o Santíssimo ao final da Missa. A Liturgia da Paixão do Senhor, na Sexta-feira Santa, terá intenções especiais para os doentes, os defuntos, para quem sofre e se encontra em dificuldade. E o tradicional beijo à Cruz será dado somente pelo celebrante. A Vigília Pascal só será celebrada nas catedrais e nas igrejas paroquiais. Também indicamos que as expressões de piedade popular e as procissões que enriquecem os dias da Semana Santa e do Tríduo Pascal, segundo entendimento do bispo diocesano, possam ser transferidas para outros dias convenientes, por exemplo, para os dias 14 e 15 de setembro.”

EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL CHRISTUS VIVIT
clique para baixar
Exortação Apostólica “Gaudete et Exsultate: chamado à santidade”
Exortação Apostólica “Gaudete et Exsultate: chamado à santidade” é lançada pelo papa
Área de arquivos
Materiais disponibilizados pela Diocese e pelas pastorais

capa263