22
Dom, Jul

Homilia do Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor

Mensagens do Bispo

Homilia do Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor realizada na Catedral Basílica São Bento – 25/03/2018

ANO NACIONAL DO LAICATO - FRATERNIDADE E SUPERAÇÃO DA VIOLÊNCIA
TEMA GERAL: “NÃO AMEMOS COM PALAVRAS, MAS COM OBRAS” (1Jo 3,18)

Amados Irmãos e Irmãs.

Estamos iniciando a Semana Santa, tempo especial de oração, jejum e caridade, onde Deus quer nos conceder todo seu amor. Tendo em vista que teremos vários momentos de celebração, gostaria de propor a todos, um tema para estes dias especiais de oração e contemplação. O tema é o seguinte: “Meus filhinhos, não amemos com palavras nem com a boca, mas com obras e com verdade” (1Jo 3,18). Este tema é da primeira carta de São João, capítulo 3, versículo 18 e foi o versículo que inspirou o Papa Francisco a escrever a sua mensagem para o primeiro dia mundial dos pobres.

De fato Jesus não nos amou apenas com palavras, mas amou-nos sobretudo dando sua vida por nós. “Jesus carregou os nossos pecados em seu corpo sobre o madeiro” (1Pd 2,24). O relato da Paixão, que acabamos de ouvir, está repleto de personagens: a traição de Judas, a negação de Pedro, o lavar as mãos de Pilatos, Barrabás, os dois ladrões. A histórias destes personagens exprimem e simbolizam a única realidade que levou Jesus à cruz: “Ele foi castigado por nossos crimes e esmagado por nossas iniquidades” (Is 53,5; 1Pd 2,24).

Sendo assim, a história da Paixão não acabou, ela continua. O processo de Jesus e sua Paixão continuam, mas em um sentido diferente. O processo continua em cada homem ou mulher que sofre e é perseguido por causa da justiça, como aconteceu com Jesus. Ao mesmo tempo o processo de Jesus é renovado por qualquer pessoa que se abandona ao pecado, pois com isto se prolonga o grito: Não! A este não! Mas a Barrabás! “Crucifica-o!” (Jo 15,13-14).

Cabe a nós escolher com que atitude queremos entrar na história da Paixão de Cristo: com a atitude de Cireneu (Jo 15,21), que se coloca ao lado de Jesus, ombro a ombro, para carregar com ele o peso da cruz; ou se queremos entrar com a atitude de Judas, de Pedro, de Pilatos e daqueles que “olham de longe” para ver como irá terminar aquele episódio. Cabe a nós escolher se iremos amar como Jesus amou ou se o nosso amor é só de palavras.

A Igreja no Brasil proclamou a celebração do Ano do Laicato neste ano de 2018. Quem são os cristãos leigos? O documento de Puebla nos dá uma definição importante: São homens e mulheres da Igreja no coração do mundo, e homens e mulheres do mundo no coração da Igreja (cf DP 786). Sua missão própria e específica se realiza no mundo, de tal modo que, com seu testemunho e sua atividade, contribuam para a transformação da realidade social, política, econômica e cultural, segundo o evangelho.

Caros Irmãos e Irmãs como podemos nos envolver mais e ajudar o mundo a ser melhor? Como podemos ser discípulos missionários de Jesus Cristo nos dias de hoje? Como faremos para que o nosso amor não seja apenas com palavras, mas com obras e com verdade? Peçamos ao Espírito Santo de Deus que nos guie nesta Semana Santa. Que sejamos sal da terra e luz do mundo.

Exortação Apostólica “Gaudete et Exsultate: chamado à santidade”
Exortação Apostólica “Gaudete et Exsultate: chamado à santidade” é lançada pelo papa
Ano Nacional do Laicato
Notícias do Ano do Laicato
Área de arquivos
Materiais disponibilizados pela Diocese e pelas pastorais