18
Dom, Nov

Homilia da Celebração Eucarística em Ação de Graças pelos 60 anos do Colégio Cristo Rei

Mensagens do Bispo

Homilia de Dom Luiz Antonio Cipolini na Homilia da Celebração Eucarística em Ação de Graças pelos 60 anos do Colégio Cristo Rei em Marília - 24 de março de 2018

Saúdo a todos os Padres aqui presentes e a cada Irmão do Instituto dos Irmãos do Sagrado Coração. Saúdo aos Religiosos e Religiosas, Colaboradores, a cada Aluno e suas famílias. Saúdo também a todos vocês queridos Irmãos e Irmãs aqui reunidos para esta santa celebração.

Convido a todos a fazer uma viagem no tempo, voltar nosso coração e nossa inteligência para o mês de março do ano de 1958, quando os Irmãos Louis Cadoret e Herman Prince, a pedido de Dom Hugo Bressane de Araújo, e com a permissão do Conselho Regional começaram a obra educativa em Marília com apenas 17 alunos. Voltando no tempo um pouco mais, ao ano de 1821, em Lyon, na França, com o Padre André Coindre, e Irmão Policarpo, fundadores do Instituto, que deixaram como herança a todos os que os sucederiam a devoção ao Sagrado Coração de Jesus.

Sobre esta herança, deixada pelos fundadores é que nós queremos refletir agora. Qual é a função do coração no corpo humano? O coração é o motor de todo o corpo; a vida e a morte são sinalizadas por ele; ele está presente em todo o organismo e o faz vibrar com seu mesmo movimento; a ele conflui de todo o corpo o sangue corrompido de resíduos tóxicos que, purificado pelos pulmões, é reenviado para todos os membros. Portanto sua característica é movimentar tudo permanecendo humilde e escondido.

Isto se realiza também no plano espiritual. No Coração de Jesus aconteceu, pela primeira vez, lá no Calvário, como ouvimos no evangelho, a purificação de todos os pecados, a regeneração da esperança e do amor humano. “Um dos soldados traspassou-lhe o lado com a lança, e imediatamente saiu sangue e água” (Jo 19,34). Para o coração aberto de Jesus, misteriosamente, convergem ainda hoje, em cada Missa, todo sangue impuro e envenenado do mundo e daí parte o fluxo misterioso do Espírito Santo que purifica, renova e alimenta todos os membros da Igreja.

Cada perdão, cada graça, cada inspiração, cada desejo de esperança e de alegria, todo impulso para a unidade que experimentamos em nossa vida cristã partem daquele centro que é o Coração de Jesus. A razão profunda é que naquele Coração, na cruz, realizou-se um ato de obediência total e perfeita que fundamentou toda a vontade de Deus; por isso Deus o exaltou e colocou a salvação de todos os homens em suas mãos.

Tiremos disto todas as consequências e digamos também que o Coração de Jesus é o “coração novo” que nos foi prometido em Ezequiel (11,19) e conferido no batismo, aquele “coração de carne” que deve tomar, pouco a pouco, o lugar do “coração de pedra” que carregamos conosco desde o nascimento e que tornamos tal por causa dos pecados. “Que Cristo habite pela fé em vossos corações e que sejais enraizados e fundados no amor” (Ef 3,17).

Jesus Cristo, pois, eleva e enobrece a pessoa humana, dá valor à sua existência e constitui o perfeito exemplo de vida. Jesus é a melhor notícia, proposta pelas escolas católicas aos jovens. A meta que a escola católica se propõe com relação às crianças e jovens, ainda que em grau diverso, e respeitando a liberdade de consciência e religiosa dos não cristãos presentes nela, é a de conduzir ao encontro com Jesus Cristo, Filho do Pai, irmão e amigo, Mestre e Pastor.

Conforme o Documento de Aparecida, o acompanhamento dos processos educativos, a participação dos pais de família neles e a formação de docentes, são tarefas prioritárias da pastoral da educação. A família é insubstituível para a serenidade pessoa; e para a educação de seus filhos. É dever dos pais, especialmente através de seu exemplo de vida, a educação dos filhos para o amor como dom de si mesmos e a ajuda que eles prestam para descobrir sua vocação de serviço, seja na vida leiga como na vida consagrada.

Em nossos dias a escola católica é chamada a uma profunda renovação. Devemos resgatar a identidade católica de nossos centros educacionais por meio de um impulso missionário corajoso e audaz, de modo que chegue a ser uma opção profética plasmada em uma pastoral da educação participativa. Além disso, há de gerar solidariedade e caridade para com os mais pobres (DAp 337).

Parabéns aos Irmãos do Sagrado Coração de Jesus e a todos da família do Colégio Cristo Rei: Alunos, Docentes, Serventes, Diretores e Colaboradores! Que todos continuem fiéis à herança deixada por seus fundadores, isto é, ter o Sagrado Coração de Jesus como herança, referência da mentalidade e da vida. Crer, viver e propagar o sentido sempre novo da existência: o amor infinito com o qual Deus nos ama através de seu filho Jesus Cristo!

 

Exortação Apostólica “Gaudete et Exsultate: chamado à santidade”
Exortação Apostólica “Gaudete et Exsultate: chamado à santidade” é lançada pelo papa
Área de arquivos
Materiais disponibilizados pela Diocese e pelas pastorais