17
Sab, Abr

Homilia de Dom Luiz na missa de posse do Pe. Sidnei

Mensagens do Bispo

Homilia de Dom Luiz Antonio Cipolini na missa de posse do Pe. Sidnei de Paula Santos - 27 de janeiro de 2018

Prezado Pe. Sidnei e demais padres aqui presentes. Caríssimas religiosas, religiosos e seminaristas. Saúdo aos familiares do Pe. Sidnei. Caros Irmãos e Irmãs vindos de outras paróquias e da Comunidade Paroquial de Iacri.

A palavra de Deus que acabamos de ouvir nos fala sobre a figura do profeta. O profeta bíblico deve ser alguém como Moisés, alguém que fale de modo confiável em nome de Deus. “Moisés falou ao povo, dizendo: O Senhor teu Deus fará surgir para ti, da tua nação e do meio de teus irmãos, um profeta como eu: a ele deverás escutar” (Dt 18,15). Moisés lembra aos israelitas que, quando Deus se manifestou no monte Sinai (Ex 19), tiveram tanto medo, que Deus precisou estabelecer um intermediário para falar com eles. Esse intermediário foi Moisés, o primeiro profeta bíblico.

Moisés ensina que sempre haverá profetas em Israel, para serem mediadores e porta-vozes de Deus, de modo que os israelitas não precisam recorrer aos adivinhos, que consultam as divindades mediante sortilégios, búzios, nem aos necromantes, que invocam espíritos. O profeta é aquele que fala com a autoridade de Deus, pelo qual é enviado. Muitas vezes, sua palavra é confirmada por Deus por meio de sinais milagrosos.

O evangelho de hoje apresenta Jesus segundo este modelo, como alguém que ensina com autoridade. “Todos ficavam admirados com o seu ensinamento, pois ensinava como quem tem autoridade, não como os mestres da lei” (Mc 1, 22). Essa autoridade evoca o poder profético de ensinar em nome de Deus e fazer sinais que confirmem a palavra. Jesus expulsa um demônio. A possessão demoníaca simboliza o mal que toma conta do ser humano sem que ele queria. Libertando o endemoninhado do seu mal, Jesus demonstra que o Reino por ele anunciado é uma luta vitoriosa contra o mal que se apresenta maior que a gente.

O mal que é maior que a gente existe também hoje: a crescente desigualdade social, a má distribuição da terra e de seus produtos, a lenta destruição do ambiente natural por conta das indústrias e da poluição, a violência, o terror, o tráfico de drogas, o crime organizado, o esvaziamento moral e espiritual pelo mau uso dos meios de comunicação. Esses “demônios” parecem dominar muita gente e fazem muitas vítimas. O sinal profético de Jesus significa a libertação desse “mal do mundo” que ultrapassa nossas poucas forças. Jesus, porém, com uma palavra que tem o poder de recriar a pessoa, expulsa o demônio: “Cala-te e sai dele!”.

Mas a verdadeira missão do profeta bíblico não é realizar sinais milagrosos. Sua missão é ser porta-voz de Deus. Jesus veio para nos mostrar e dizer que Deus nos ama e quer encontrar-se conosco, quer ser nosso amigo de todas as horas, quer compartilhar conosco o seu projeto de amor. Como Jesus, a Igreja é chamada a apresentar ao mundo a palavra de Deus e o anúncio de seu reino. Palavra e sinal, eis a missão profética da Igreja hoje.

O pároco é chamado a ser profeta na Igreja hoje. O povo de Deus sente necessidade de párocos que tenham profunda experiência de Deus, que movidos pela caridade pastoral cuidem do rebanho a eles confiado e procurem os mais distantes, pregando a Palavra de Deus, sempre em comunhão com seu Bispo, com os presbíteros, religiosos e leigos. Párocos servidores da vida, que estejam atentos às necessidades dos mais pobres, comprometidos com a defesa dos direitos dos mais fracos, e promotores da cultura da solidariedade (cf. D. Ap. 199).

Mas não somente o pároco, como todo o povo de Deus é chamado a ser profeta: “Os fiéis leigos são os cristãos que estão incorporados a Cristo pelo batismo, que formam o povo de Deus e participam das funções de Cristo: sacerdote, profeta e rei. Realizam, segundo sua condição, a missão de todo o povo cristão na Igreja e no mundo. São homens e mulheres da Igreja no coração do mundo, e homens e mulheres do mundo no coração da Igreja” (D. Ap 209). Portanto a Igreja é uma comunidade de profetas, cada um no seu ministério específico.

Que o Pe. Sidnei, juntamente com todos vocês leigos e leigas, fiéis ao batismo que receberam, atuando nos Conselhos e Pastorais, possam testemunhar a alegria do encontro com Jesus Cristo e levar muitos irmãos e irmãs até Ele.

EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL CHRISTUS VIVIT
clique para baixar
Exortação Apostólica “Gaudete et Exsultate: chamado à santidade”
Exortação Apostólica “Gaudete et Exsultate: chamado à santidade” é lançada pelo papa
Área de arquivos
Materiais disponibilizados pela Diocese e pelas pastorais

capa266